Agricultura Sintrópica de Ernst Götsch Pode Reviver Nosso Ecossistema

Thiago Campos
Orgânicos
COMENTÁRIOS
agricultura sintropica imgrower

(Artigo escrito por Thiago Campos)

Entenda o que é a Agricultura Sintrópica e como utilizar o melhor dela.

Ernst Götsch, agricultor e pesquisador, veio da Suíça para o Brasil na década de 80 e se instalou no estado da Bahia. Ao começar o cultivo em território brasileiro, conseguiu elaborar uma nova forma de agricultura (Agricultura Sintrópica), na qual propôs a conservação da mata natural de determinado espaço, associando-a a plantação de culturas comerciais.

Convívio Mútuo

Para Götsch era necessário estabelecer uma relação de convívio mútuo com a natureza sem que atividades como desmatamento ou o uso de quaisquer produtos químicos fossem utilizados para melhorar a qualidade do solo. A técnica criada por Ernst Götsch recebeu o nome de agricultura sintrópica e tem feito cada vez mais sucesso, principalmente na Agricultura Orgânica e na Agrofloresta.

ernst gotsch agricultura sintrópica imgrower

 

Propósito da Agricultura Sintrópica

O principal propósito dessa forma de cultivar alimentos está na preocupação com o meio ambiente, ou seja, com a não devastação e com a preservação das características naturais de determinado habitat. A agricultura sintrópica não se utiliza de nada além do que o meio ambiente pode oferecer, inclusive, os agricultores recebem a orientação de não irrigar suas plantações, pois o equilíbrio será atingido de maneira natural.

Aproveitamento do Espaço

O agricultor deve apenas estudar as características do solo para decidir o que poderá plantar ali, em seguida, deve escolher uma grande diversidade de sementes e plantá-las de maneira com que, conforme as plantas crescerem, o ecossistema irá oferecer luz, umidade e nutrientes de acordo com as necessidades da planta ao lado. Esse equilíbrio é uma forma inteligente de aproveitamento do espaço e também faz da plantação uma atividade mais rentável.

Podas

Com o tempo o produtor deve apenas repor a camada superficial com folhas e galhos, principalmente com as podas, para que esse lixo orgânico funcione como matéria para a formação do adubo orgânico e do húmus.

Agricultura Sintrópica e Agricultura Orgânica

Na agricultura sintrópica não é necessário o uso de defensivos químicos ou agrotóxicos e isso é coerente com os princípios da produção orgânica. No entanto, ambas as formas de cultivo possuem características únicas, mostrando diversas vantagens em comparação com outras estruturas de produção.

Orgânica

A agricultura orgânica visa uma plantação com um espaço próprio para a produção e com a intervenção direta do homem através de ações não prejudiciais à organicidade das plantas como, por exemplo, o uso de estufas ou a adubação orgânica.

agricultura-sintropica-agricultura-organica

Sintrópica

Já a agricultura sintrópica tem como ponto principal a não intervenção, o uso de adubos orgânicos só é permitido caso o solo escolhido para o cultivo seja pobre e precise de nutrientes e microrganismos para melhorar sua qualidade antes dos primeiros cultivos.

A Importância da Agricultura Sintrópica para o Ecossistema

A agricultura sintrópica pode ser realizada em qualquer terreno e suas plantas apresentam poucas pragas ou doenças. O equilíbrio da natureza faz com que o solo esteja sempre bem nutrido e garante a qualidade do produto final. Além disso, a agricultura sintrópica mantém as estruturas da mata, permitindo o convívio da fauna e da flora sem que seja necessário desmatamento ou expulsão de espécies nativas.

Orgânica ou Sintrópica?

Como tudo na vida, devemos extrair o que a de melhor do conhecimento e se apropriar daquele que mais nos ajuda. Por isso, o produtor urbano ou rural, deve utilizar as técnicas de ambas as formas de cultivo a depender de sua necessidade e da sua realidade, ou seja, utilizar o que há de melhor de ambas as formas de produção.

Se gostou do conteúdo, tiver alguma dúvida, quiser compartilhar experiências ou até mesmo uma ideia, deixe seu comentário abaixo (ele é muito importante para mim).Obrigado!

Até mais,

Thiago Tadeu Campos