Como Eliminar a Lagarta do Cartucho e o Pulgão da Plantação de Milho

Thiago Campos
Orgânicos
COMENTÁRIOS
Lagarta do cartucho - plantação de milho

(Artigo escrito por Thiago Campos)

Descubra como combater a lagarta do cartucho, o pulgão e a deficiência de zinco na plantação de milho orgânico ou convencional.

O milho, cultivado durante o ano todo, sofre continuamente com as infestações de pragas e insetos, como a lagarta do cartucho e o pulgão. Devido ao uso excessivo de defensivos agrícolas no passado, hoje não é tão fácil remover as pragas de uma plantação. Esses insetos desenvolveram uma resistência aos produtos químicos utilizados nesses inseticidas, tornando mais difícil sua erradicação.

Atualmente, o produtor de milho enfrente 3 grandes dificuldades: a lagarta do cartucho, o pulgão e a deficiência de zinco do solo. Esses três fatores podem prejudicar uma plantação inteira, assista o vídeo abaixo para ver como elas atrapalham na plantação de milho orgânico ou convencional:

Felizmente, já existem formas eficientes de lidar com essas dificuldades: a utilização do controle biológico e a nutrição do milho orgânico ou convencional através de micronutrientes para manter a qualidade do produto.

Também é crucial que o solo da plantação tenha recebido uma adubação correta para fortalecer a planta e, consequentemente, ter menos ataques de pragas e doenças.

Primeiro, vamos entender um pouco sobre a lagarta do cartucho, o pulgão e a deficiência de zinco.

Lagarta do Cartucho

A lagarta do cartucho é a principal praga para os produtores de milho no Brasil, está presente em todas as regiões e, embora o nome esteja relacionado com seu alojamento no cartucho, essa lagarta pode atacar todas as partes da planta, inclusive a espiga do milho.

Esse ataque impossibilita que as sementes possam ser utilizadas em plantações, diminui a produtividade da plantação e o uso de defensivos agrícolas tradicionais torna-se ineficaz, pois não consegue alcançar suas larvas.

Lagarta do Cartucho na plantação de milho

Pulgão

O pulgão é um problema popular para o produtor, porém só causa grandes danos em casos de infestação, o que facilita o controle e a prevenção contra essa praga. É necessário estar atento à presença do pulgão, pois pode transmitir viroses, como por exemplo, o mosaico.

Por viver em colônias sem machos e se reproduzirem por partenogênese, os pulgões encontrados em grupos de fêmeas, fazendo com que a reprodução seja muito mais rápida, mas que ao mesmo tempo não possua diversidade genética entre os insetos.

Pulgão na plantação de milho

Deficiência de Zinco

Outro fator prejudicial para o milho é a deficiência de zinco. O zinco é demasiadamente importante para a agricultura, embora faça parte dos micronutrientes, é necessário estar presente no solo em tempo integral, mesmo que em pequenas quantidades.

A ausência do zinco faz com que processos como síntese de proteínas e a própria fotossíntese sejam prejudicados. Além disso, a planta cresce com dificuldade e sua fertilidade é reduzida. A colheita e o rendimento também são afetados.

Essas pragas acabam prejudicando a plantação de milho como um todo. Um produtor orgânico, por exemplo, deve buscar formas alternativas de combate, uma vez que o uso de defensivos agrícolas é proibido. Embora pareça mais fácil recorrer aos inseticidas e produtos químicos comuns, esses produtos não garantem a solução do problema e são altamente prejudiciais ao planto e ao alimento.

Muitas vezes, a deficiência de zinco é causada pelo excesso de química no solo, pois os ciclos bioquímicos da planta são interferidos. É uma das doenças mais comuns no mundo, devido ao mau uso de fertilizantes e inseticidas nas ultimas décadas.

Agora vamos entender como combater a lagarta do cartucho, o pulgão e a deficiência de zinco na plantação de milho orgânico ou convencional.

deficiencia de zinco na plantacao de milho

 Inseticidas Naturais: Oléo de Neem, Agree e KSC

Buscando evitar ao máximo o uso de produtos químicos em plantações, outros defensivos agrícolas foram analisados e demonstraram um grande resultado em relação à manutenção e proteção das lavouras. Através da constante análise do solo e das plantas é possível identificar qual praga deverá ser combatida e dessa forma, pode-se buscar o melhor produto.

No vídeo, vemos uma lavoura de milho orgânico infestada com a lagarta do cartucho, com o pulgão e com uma deficiência de Zinco, impedindo o crescimento sadio do milho e que estavam prejudicando a plantação como um todo. Para recuperar a plantação mostrada, foi necessário o uso de três diferentes defensivos naturais:

  • A lagarta do cartucho foi combatida com 30g de Agree para cada 20L.
  • Já os pulgões sofreram a ação do Óleo de Neem, com a proporção de 100ml para 20L.
  • A deficiência de zinco no solo foi tratada com a introdução do KSC na lavoura.

A associação desses produtos naturais possibilitou a regeneração e a recuperação da lavoura de milho, e esses compostos, embora ainda não sejam tão conhecidos, são soluções eficientes, práticas e livres de química para lidar com as pragas na agricultura.

Oléo de Neem

O óleo de neem é um produto natural que possui cerca de 150 compostos bioativos, tendo uma função não só repelente, também como proporcionando um atraso no desenvolvimento das larvas e impossibilitando sua alimentação.

Esse óleo é vantajoso por ser inofensivo a animais de sangue quente e ao meio ambiente, combatendo somente ao inseto indesejado e não prejudicando a planta. Além de biodegradável é totalmente orgânico, sendo uma ótima opção para as plantações orgânicas.

Óleo de neem

Agree

Agree é um inseticida feito através da bactéria Bt, funciona por meio de sua ingestão pelas pragas. É um produto inofensivo ao meio ambiente e garante a recuperação de grandes lavouras infestada por lagartas e pulgões.

Agree lagarta do cartucho

KSC

Já o KSC é um fertilizante solúvel de baixa condutividade que deve ser aplicado através da fertirrigação, pois além de estimular o crescimento radical da planta, ajuda a reestruturar os nutrientes do solo. É um ótimo substituto para os fertilizantes que utilizam produtos químicos, uma vez que é 100% natural e não prejudica o ecossistema.

ksc deficiencia de zinco

Outras Soluções

A primeira solução para qualquer tipo de ataque de pragas e para deficiência de micro e macronutrientes, na verdade, é uma prevenção, que consiste em fazer a adubação correta do solo, pois com a adubação correta teremos uma planta sadia e com uma planta sadia, teremos menos ataques de pragas e doenças. Como foi feita a adubação do seu solo? Clique aqui para aprender a forma correta.

Também é possível que seja feita a introdução de inimigos naturais que são criados em laboratório. O tesourinha, por exemplo, é um inseto que pode ser utilizado, pois ajuda a combater tanto no combate da lagarta do cartucho como do pulgão.

A maioria das pragas possui uma grande quantidade de inimigos naturais, logo, buscar um equilíbrio natural pode ser uma boa forma de evitar que produtos químicos sejam despejados na plantação.

Tratar as sementes também é uma forma de evitar a presença de doenças na planta, pois oferece uma proteção à semente durante o pré-florescimento.

A deficiência do zinco pode ser tratada com o uso de óxidos de zinco, tornando o solo estável. O uso de fertilizantes naturais também auxilia no reparo do solo, uma vez que todos os macro e micronutrientes entram em equilíbrio a planta cresce com vigor.

Evite Produtos Químicos

As pragas são comuns em grandes lavouras, principalmente em solos que foram esgotados. Combater essas pragas é uma atividade constante e as formas de combate devem ser de conhecimento geral dos produtores. Embora o combate ideal seja o equilíbrio com os inimigos naturais dos insetos, muitas vezes só a introdução de outros seres vivos não é o suficiente, sendo necessária a utilização do controle biológico e a nutrição da planta com micronutrientes.

É necessário buscar formas naturais de manter a plantação saudável, uma vez que quanto menor for a quantidade de produtos químicos inseridas no período de crescimento, melhor será a qualidade do alimento.

Se gostou do conteúdo e tiver alguma dúvida, quiser compartilhar experiências ou até mesmo uma ideia, deixe seu comentário abaixo. Obrigado!

 

Até mais,

Thiago Tadeu Campos